Pellegrino na 1ª Conferência Nacional de Futebol

Screen Shot 2017-05-17 at 1.10.46 PM

A grande guerreira Aline Pellegrino vai participar de um painel fundamental falando sobre futebol feminino na 1ª Conferência Nacional de Futebol, que acontece entre 15 e 16/05. Ela promete: “Vamos debater tudo sobre estrutura, planejamento e próximos passos da modalidade”.

Saiba mais em www.conafut.com.br

Transmissão de jogos do Paulista Feminino

Screen Shot 2017-05-17 at 1.13.47 PM

Link para a página de transmissão de jogos do Paulista Feminino. O projeto é incipiente, mas conta com 5 clubes inscritos podendo transmitir os jogos. A ideia é que os 16 clubes participem do canal, transmitindo jogos em casa. Acompanhe!

Time misto de homens e mulheres mostra como iniciativas como esta são saudáveis e necessárias

Em São Paulo, o time de várzea União Lapa renasce com time misto de homens e mulheres e mostra como atitudes e iniciativas como esta são saudáveis e necessárias para nossa sociedade!!

uniao-lapa-time-posado-1493338084822_300x300

https://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2017/04/28/1-carrasco-do-corinthians-renasce-para-o-futebol-agora-com-time-misto.htm

a A primeira mulher a treinar uma seleção italiana de futebol masculino

“Patrizia Panico, a primeira mulher a treinar uma seleção italiana de futebol masculino, pediu que seja valorizada “a competência profissional, independentemente do sexo” e indicou que seria “fantástico” se “muitas mulheres seguissem seu exemplo”.

Em uma entrevista publicada nesta terça-feira ao site da Fifa, Panico desejou que suas duas primeiras partidas como treinadora da seleção masculina sub-16, perante a Alemanha nos dias 22 e 24 de março, “tenham sido somente o começo”.

“Foi assustador o interesse midiático que tudo isto criou. Mas eu espero que ter treinadoras no futebol masculino seja visto muito em breve como algo normal. E não porque nós somos melhores treinadoras, senão porque o que conta é a competência profissional, independentemente do sexo”, disse.”

italia

http://espn.uol.com.br/noticia/687725_primeira-tecnica-de-selecao-italiana-de-futebol-masculino-quer-ser-exemplo?utm_content=bufferc2cc2&utm_medium=social&utm_source=twitter.com&utm_campaign=buffer

“O corpo feminino no esporte” em evento no SESC Pinheiros

Para quem está em São Paulo, ótima oportunidade de ouvir a super guerreira Silvana Goellner falando sobre “O corpo feminino no esporte” em evento no SESC Pinheiros!

17390443_740329602811721_1802780494183332988_o

Dia Internacional contra a Discriminação Racial 21.03.2017

21/03 é Dia Internacional contra a Discriminação Racial. Que busquemos aprender a combater opressões com justiça e o conhecimento adequado. A Casa da Mãe Joanna fez uma seleção de materiais potentes sobre as lutas feministas e antirracistas que compartilhamos com vocês.
Nosso feminismo será interseccional ou não será.

Screen Shot 2017-05-17 at 1.39.52 PM

por Joanna Burigo, Casa da Mãe Joanna
21.03.2017

21/03 é Dia Internacional contra a Discriminação Racial.

Grada Kilomba nos explica que o racismo é uma problemática branca (http://bit.ly/2hPs3zw), e é urgente que enfrentemos o racismo que insiste em permear os feminismos.

Por sermos brancas, temos certas garantias em uma sociedade que é, estruturalmente, racista – exatamente da mesma forma que homens têm certas garantias em uma sociedade estruturalmente machista. Se entendemos os privilégios deles, precisamos entender também os nossos.

Não é difícil entender, mas pode exigir esforço. É compreensível que ter nosso racismo exposto seja dolorido. Mas a opção madura é dar conta dessa dor, e a melhor forma de fazer isso é colocá-la em perspectiva: se ter nosso racismo exposto dói, imaginemos o quão dolorido é, de fato, sofrer racismo.

Entender nossos preconceitos e assumir as responsabilidades por eles, bem como suas consequências, é um passo fundamental. Não o único, mas o primeiro. Quem mais precisa se educar sobre racismo somos nós, pessoas brancas. Assim como quem mais precisa se educar sobre machismo são os homens.

Essa educação começa por conhecer as narrativas de quem sofre com uma opressão que não sofremos. Selecionamos alguns materiais incríveis para isso:

“Cansado de ouvir sobre machismo e racismo? Imagine quem vive isso todo dia”, por Djamila Ribeiro (http://bit.ly/2mMskFH)

Entrevista com Sueli Carneiro, fundadora do Geledés Instituto da Mulher Negra, que acredita nos movimentos sociais para enfrentar a discriminação. (http://bit.ly/2nja6iM)

Matéria sobre #EmancipaMulher, curso feminista que explica porque no Brasil não se pode falar de gênero sem falar de raça. (http://bit.ly/2njvOmJ)

Winnie Bueno –entrevistada acima– produz vídeos sobre feminismo negro e lutas antirracistas em seu vlog, o Preta Expressa, e selecionamos alguns de seus textos para essa compilação. “Admitam: vocês não querem ouvir as mulheres negras” (http://bit.ly/2kBthEv); “A quem serve o mito da agressividade da mulher negra?” (http://bit.ly/2jtbqxq); “Estado laico: por um paradigma que elimine a intolerância a tradições de matriz africana” (http://bit.ly/2nOCkzL); “Anti-negritude: uma marca da sociedade gaúcha” (http://bit.ly/2i0vpmf); “Anti-negritude na pauta da defesa animal: algumas considerações” (http://bit.ly/2ijNdGM); “Mulher, negra e livre para ser o que quiser” (http://bit.ly/2kucTkF) (este último escrito com com Larielly Donini).

Joice Berth explica: “Não temos obrigação alguma de doutrinar marmanjos” (http://bit.ly/2jj9Ijg); “Feminismo de um só capitulo tem que morrer” (http://bit.ly/2ly0IYC); “Sobre o maçante e doloroso assunto “Solidão da mulher negra”” (http://bit.ly/2dZ2fE0); “Racismo e o álbum de Carolina de Jesus” (http://bit.ly/2dPW0ON); “O racismo, mora nos detalhes, nas sutilezas, nas entrelinhas” (http://bit.ly/2eVKVwW); “Auto estima na prática” (http://bit.ly/2a2lDMd).

E mais:

Poliana Corrêa diz que “Ser negro tá na moda” (http://bit.ly/2fXAzhG). “Branca pra casar, mulata pra fuder, negra pra trabalhar” por Fabiana Moraes (http://bit.ly/2cWWEwV). “Consciência negra para quem?” por Sandra Cecilia Peradelles (http://bit.ly/2kz9Sjy); “O racismo, eu e os outros”, por Fabiana Mascarenhas (http://bit.ly/2kHkpLS); “Vibremos com as conquistas de mulheres negras como se fossem nossas”, por Laura Astrolabio Dos Santos (http://bit.ly/2mMzGJ1); “Lésbicas negras e a dificuldade de arranjar relacionamentos” por Mariana Camara (http://bit.ly/2gO393Q); “Ser feia dói?”, por Luana Tolentino (http://bit.ly/2njmCPe); “A popularização do Feminismo te incomoda?”, por Stephanie Ribeiro (http://bit.ly/1MnZSWh); “Quem é o sujeito que fala *por*, e quem é o sujeito que fala *de*?”, texto já clássico de Adélia Mathias sobre lugar de fala (http://bit.ly/2eKn0zs). E Juliana Borges arremata: “A violência escondida, revelada” (http://bit.ly/2a2mcpo) e “Nós, mulheres negras, lutamos por amor também” (http://bit.ly/29EBC2G).

“É hora de falar sobre “racismo suave” e fragilidade branca”, Por Christy DeGallerie, originalmente publicado no HuffPost e traduzido pela #CDMJ: http://bit.ly/2e9gd5m

Das Blogueiras Negras, “Racismos nos espaços feministas brancos”: http://bit.ly/2kHvQmL

Do Geledés Instituto da Mulher Negra, o “Jogo do Privilégio”: http://bit.ly/2lydE0D

Vídeo da maravilhosa Porsha O, resinificando o mito da mulher negra agressiva: http://bit.ly/2kkPCAY

Para lutarmos verdadeiramente juntas, precisamos ouvir e aprender umas com as outras. Compreender racismo estrutural é também compreender onde estamos nessa estrutura. Quem faz parte do grupo privilegiado não deve exigir ou sequer esperar que grupos oprimidos expliquem a própria opressão – muito menos com aulas particulares e de forma doce e suave.

Trabalhar pela erradicação do racismo é responsabilidade de todos. Especialmente de pessoas brancas.

Imagem: Lorna Simpson (http://bit.ly/2nOSZ6j)

Aline Pellegrino e Juliana Cabral conversando sobre a modalidade no ESPNW

Não perca hoje a guerreira, ex-capitã da seleção brasileira e coordenadora de futebol feminino da Federação Paulista, Aline Pellegrino, conversando sobre a modalidade com a também ex-capitã, zagueira e comentarista Juliana Cabral e as feras do ESPNW!! Canal ESPN+ HD, 18h.

Screen Shot 2017-05-17 at 1.43.17 PM

O primeiro Pesquisão do futebol feminino no Brasil

“O UOL Esporte lança o primeiro Pesquisão do futebol feminino no Brasil. Um questionário online foi enviado às atletas dos 16 clubes que disputarão a Série A do Campeonato Brasileiro feminino. As respostas recebidas de 62 jogadoras dão um panorama da modalidade no país.
As perguntas se referem a temas ligados ao esporte e de como as mulheres são tratadas ao se tornarem jogadoras profissionais de futebol. O levantamento não tem caráter estatístico e os resultados apresentados se referem somente ao universo pesquisado. Cabe ressaltar que o sistema usado faz todas as respostas serem anônimas.”

Screen Shot 2017-05-17 at 1.47.03 PM

Debate sobre a igualdade de gênero promovido pelo Instituto de Ensino Superior La Orden, na comunidade de Andalucía Espanha

Debate sobre a igualdade de gênero promovido pelo Instituto de Ensino Superior La Orden, na comunidade de Andalucía Espanha, conta com a participação da GUERREIRA @thaispicarte.

Screen Shot 2017-05-17 at 2.22.45 PM

Vídeo da Federação Paulista nos representa!

O coletivo “Guerreira Project” sempre apoiou iniciativas que representem as jogadoras de futebol da forma como elas são: atléticas, competitivas, dedicadas, nada de princesas usando chuteiras de salto alto. Esse vídeo da Federação Paulista, feito com profissionalismo e respeito, nos representa! Parabéns a Federacao Paulista de Futebol e que venha o Paulista Sub-17l!!!

Shot-2017-05-17-at-2.06.16-PM.png”>Screen Shot 2017-05-17 at 2.06.16 PM